Heteroscodra maculata

Heteroscodra maculata Pocock, 1899, é uma aranha comedora de pássaros muito impressionante e notável devido à sua coloração e padrões da África Ocidental. No entanto, ela tem sido ligada com aranhas babuínas, ela pertencia à subfamília Stromatopelminae por um longo tempo. As aranhas da família Theraphosidae africanas são comumente dadas o título de aranhas babuínas, o que explica por que ela carrega o nome. Desde março de 2017, a aranha pertence à subfamília aviculariinae. Com suas pernas relativamente curtas e robustas, padrões negros em uma pele acinzentada com pouquinhos pelos.

Davus pentaloris

Davus pentaloris vive em áreas quentes e temperadas com uma estação chuvosa durante 6 meses consequentes. As temperaturas locais raramente excedem 28°C, com temperaturas mais altas medidas durante a estação chuvosa de maio a outubro. A mínima nunca fica abaixo de 15°C durante a estação chuvosa à noite, às vezes caindo para 11°C entre novembro e abril.

Pterinopelma sazimai

Pterinopelma sazimai, também conhecida como “tarântula azul brasileira”, é uma aranha comedora de pássaro maravilhosa devido à sua coloração e comportamento. Ela tem o nome do Dr. Ivan Sazima, o zoólogo brasileiro que foi o primeiro a descobrir a espécie em 1971 e investigar a espécie por 10 anos com Sylvia Lucas no instituto butantan. Quando a tarântula morreu, ela ainda não havia sido descrita. Em 2011, os três investigadores concluíram o trabalho do dr. Ivan Sazima.

Acanthoscurria geniculata

Acanthoscurria geniculata , também chamada de “Tarantula Gigante de Joelhos Brancos, é uma aranha impressionante do Brasil devido ao seu padrão de cor e comportamento. Ela persegue furiosamente todas as presas, a Acanthoscurria geniculata muitas vezes pode ser encontrada na lista de favoritos de muitos amadores.

Theraphosa blondi

Theraphosa blondi (Latreille, 1804), também conhecida como a “Golias comedora de pássaros Tarantula” é um animal muito notável por seu tamanho, vivendo no Brasil, Guiana, Suriname e Venezuela. A aranha foi descrita pela primeira vez em 1804 como ” Mygale Blondii “, depois que ela foi categorizada em Theraphosa por Thorell em 1870. 33 anos depois, em 1903, mudou “Blondii” para “leblondi”. Theraphosa blondi é conhecida por ser a maior aranha do mundo. Em parte devido a esse status, ela é muito procurada por amadores. No entanto, devido a um difícil processo de reprodução, a Theraphosa blondi é muito difícil de obter. Theraphosa stirmi, a verdadeira maior tarântula do mundo, por outro lado, é uma opção semelhante à Theraphosa blondi. A Theraphosa blondi é a maior aranha do mundo em massa corporal.

Lasiodora klugi

A Lasiodora klugi é semelhante a L. Parahybana, mas a sua coloração é mais escura (preta) com o diferencial dos pelos abdominais serem bem avermelhados, quando mais velhas tendem a uma coloração mais desbotada, e o abdômen tende a cor de cobre.

Pambhobeteus sp. machala

Pamphobeteus sp. machala, também conhecida como “Flor Roxa”, é uma caranguejeira muito notável devido ao seu tamanho e coloração do Sul-Equador. No entanto, as fêmeas perdem suas cores brilhantes atingindo sua maturidade sexual, os machos no entanto, continuam com sua coloração exuberante ate o fim da vida.

Brachypelma boehmei

Brachypelma boehmei  (Schmidt & Klaas 1993), também chamada de “aranha mexicana de pernas vermelhas”, é uma tarantula mexicana muito marcante devido ao seu comportamento e mistura de cores. A aranha pode reagir muito nervosamente as vezes, o que muitas vezes resulta no chutamento de seus pelos urticantes. INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS Nome científico: Brachypelma boehmei. Família: Theraphosidae Subfamília: Theraphosinae….

Psalmopoeus cambridgei

Psalmopoeus cambridgei (Pocock, 1895), é uma espécie de aranha da família Theraphosidae, endêmica de Trinidad. Seu veneno é a fonte de psalmotoxina e vanillotoxina que são classificadas como proteínas inibidoras. A salmotoxina pode ser de uso terapêutico em pacientes que sofrem de AVC. A fêmea desta especie tem marcas escuras em seu abdômen e sua cor varia através de tons esverdeados com marrom, alguns pontos avermelhados ou alaranjados podem ser notados em suas penas.

Nhandu coloratovillosus

Nhandu coloratovillosus (Schmidt, 1998), também conhecida como “Tarantula brasileira preta e branca” é uma aranha caranguejeira muito bonita e imponente. Com pernas listradas pretas e brancas, bem como um abdômen escuro, coberto por cerdas avermelhadas, fazem esta tarântula parecer rosa, fofa e adorável! Não se engane, manipular essa tarântula não é aconselhável, pois seu temperamento varia muito de espécime para espécime e também de um momento para o outro. São grandes espécies terrestres que podem ser encontradas nas pradarias do Brasil, se parece muito com a tarântula de joelhos brancos brasileira (Acanthoscurria geniculata).