Lasiodora parahybana

Lasiodora parahybana (Mello-Leitão, 1917), ou Tarântula Rosa Salmão Brasileira, é uma das especies de tarântulas mais conhecidas do mundo. Elas são originárias de áreas tropicais do nordeste brasileiro. O que as torna tão especiais é o fato de que elas são uma das maiores espécies de tarântulas do mundo. Na verdade, acredita-se que Lasiodora Parahybana seja a quarta maior tarântula do mundo. Além de seu tamanho enorme, elas também são conhecidas por seus pelos “rosados” atraentes que são destacados em seu corpo preto/marrom. A Comedora de Pássaros – Rosa Salmão Brasileira é uma tarântula muito popular no mundo dos criadores de animais exóticos, além de sua aparência única, também é muito dócil e fácil de reproduzir em cativeiro, tornando-se uma escolha ideal para os amantes desses animais.

Sua mordida é ligeiramente venenosa, mas não é muito perigosa ou mortal. O maior problema é que suas presas são muito grandes, o que significa que sua mordida é forte e poderosa. Sua “mordida” pode ser muito dolorosa e é conhecida por causar inchaço, vermelhidão, irritação da pele e até cãibras.


INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS

Nome científico: Lasiodora parahybana

Família: Theraphosidae.

Subfamília: Theraphosinae.

Tipo: Aranha de hábitos terrestres.

Categoria: Tarântula do Novo Mundo.

Cerdas urticantes: Sim.

Veneno: Fraco. Não há pesquisas científicas ate o momento para confirmar isso.

Origem:  Nordeste do Brasil.

Comprimento do corpo: ≤ 10/12 cm.

Envergadura de pernas: ≤ 23/25 cm.

Comportamento: Quando ameaçada, seu instinto básico é fugir e se esconder, no entanto, às vezes você os verá entrar na postura defensiva. Se elas ficarem extremamente agitadas, eles poderão lançar cerdas urticantes, o que pode ser uma experiência muito desagradável.

Taxa de crescimento: Rápido.

Expectativa de vida: as fêmeas podem atingir a idade de 20-25 anos. Os machos morrem por volta dos 4-5 anos.


INFORMAÇÕES ADICIONAIS

Em seu ambiente natural, Lasiodora parahybana é conhecida por ser uma predadora de emboscadas terrestres, elas ficarão esperando na entrada de suas tocas até o momento perfeito para atacar a presa com suas enormes presas. Elas raramente são vistas em suas tocas. Embora o nome delas possa sugerir, esses animais não comem (ou muito raramente) pássaros. O nome “Comedora de Pássaros – Rosa Salmão” é dado principalmente devido à sua cor e tamanho enorme.

Fatores ambientais

Temperatura: 25-29 ° C (dia) e 21-25 ° C (noite).

Umidade: 60-75%. 

Imagens por: Diego Jiménez


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s