Bumba horrida

Bumba horrida (Schmidt, 1994), ou Tarântula Ruiva Brasileira. Coberta com cerdas pretas aveludadas brilhantes pelo seu corpo e um cefalotórax tipicamente bem alaranjado, esta é uma aranha muito bonita e imponente do Brasil. São aranhas fossoriais, ou seja, elas gostam bastante de viver enterradas, dentro de suas tocas. Elas são caçadoras muito afiadas, estarão sempre a espreita em suas tocas, esperando que uma presa passe. Bumba é um gênero de tarântula nativa das Américas, compreendendo apenas quatro espécies conhecidas. Como a maioria das espécies da subfamília Theraphosinae, elas possuem cerdas urticantes, e caso se sintam fortemente incomodadas, com certeza lançaram elas ao ar.

Poecilotheria metallica

Poecilotheria metallica – (Pocock 1899), é uma caranguejeira deslumbrante devido à sua coloração e padrão do sudeste da Índia. Gooty em seu nome comum refere-se ao lugar onde ela foi encontrada pela primeira vez, o que está errado, pois o animal foi capturado em um pátio de madeira ferroviária em Gooty, o espécime poderia ter vindo de…

Kochiana brunnipes

Kochiana brunnipes (C. L. Koch, 1842), ou Tarântula Anã das pernas Rosas Brasileira. Coberta com cerdas pretas aveludadas pelo seu corpo e pernas principalmente rosadas/laranjas, esta é uma aranha muito bonita e imponente. São aranhas fossoriais, ou seja, traduzindo para um vocabulário popular, elas gostam bastante de viver enterradas, dentro de suas tocas, dificilmente veremos esse animal andando por ai em sua vida livre. Elas são caçadoras muito afiadas, estarão sempre a espreita em suas tocas, esperando que uma presa passe. Sua natureza é geralmente dócil, mas podem lançar cerdas urticantes facilmente caso se sintam ameaçadas.

Vitalius dubius

Temida pelo seu tamanho e corpo peludo, elas são inofensivas para o ser humano. Mesmo dotada de veneno, não apresenta nenhum interesse médico, uma vez que não trazem complicações. Entretanto é com o pelos que devemos tomar cuidado. Quando ameaçadas, raspam rapidamente suas cerdas situadas no dorso do abdome, e se em contato com a pele, pode causar reações de hipersensibilidade. Vivem em tocas ou buracos do solo (ambientes quentes e úmidos) e às vezes forram seu ambiente com fios de seda, além de possuir atividade noturna. Esta espécie pode chegar em média até 15 cm de comprimento (fêmeas). A sua alimentação principal é insetos, mas pode acabar alimentando de pequenos roedores, aves, etc. Para digerir suas presas, ela libera uma substancia parecida com o nosso suco gástrico, ocasionando a digestão da presa de dentro pra fora. Estas aranhas não são agressivas e devemos sempre respeitar o seu e

Pterinochilus murinus

Pterinochilus murinus (Pocock – 1897), também conhecida como “Tarântula babuíno laranja”, é uma bela aranha devido à sua coloração e comportamento da África Central, Oriental e Sul. Pterinochilus pertence a subfamília Harpactirinae, comumente conhecida como as aranhas babuínas. A aranha é muito temida por sua velocidade, seu veneno que pode ser um tanto que mais forte do que as demais especies de tarântulas, e seu comportamento defensivo. As cores podem variar, dependendo da localização e superfície, do ouro-laranja ao avermelhado e até cinza-preto.

Eupalaestrus campestratus

Eupalaestrus campestratus – (Simon, 1891), ou conhecida como Tarântula Zebra Rosa Brasileira é uma das espécies mais populares devido ao seu comportamento muito dócil. Elas são aranhas que costumam ficar muito a vista e for de suas tocas, demarcando seu território. Estas também são belas tarântulas devido a sua combinação de listras “Zebradas” em suas pernas e cabelos rosados por todo o corpo.

Dolichothele diamantinesis

Dolichothele diamantinensis (Bertani, Santos & Righi, 2009) ou Tarântula da Beleza Anã Azul Brasileira é às vezes descrita como uma aranha pequena com cores verde e azul. Ela é menor que a GBB (Chromatopelma cyaneopubescens), mas compensa a falta de tamanho com cores muito mais brilhantes e vibrantes. Originalmente, esta espécie foi descrita como Oligoxystre diamantinensis em 2009 e foi introduzida no hobby de animais exóticos no exterior em 2012. Sendo bastante nova, não há muitas informações disponíveis online em relação a esta espécie em particular.

Davus pentaloris

Davus pentaloris vive em áreas quentes e temperadas com uma estação chuvosa durante 6 meses consequentes. As temperaturas locais raramente excedem 28°C, com temperaturas mais altas medidas durante a estação chuvosa de maio a outubro. A mínima nunca fica abaixo de 15°C durante a estação chuvosa à noite, às vezes caindo para 11°C entre novembro e abril.

Pterinopelma sazimai

Pterinopelma sazimai, também conhecida como “tarântula azul brasileira”, é uma aranha comedora de pássaro maravilhosa devido à sua coloração e comportamento. Ela tem o nome do Dr. Ivan Sazima, o zoólogo brasileiro que foi o primeiro a descobrir a espécie em 1971 e investigar a espécie por 10 anos com Sylvia Lucas no instituto butantan. Quando a tarântula morreu, ela ainda não havia sido descrita. Em 2011, os três investigadores concluíram o trabalho do dr. Ivan Sazima.

Respiração das Tarântulas

O sistema nervoso das aranhas, ao contrário dos outros aracnídeos, está completamente concentrado no cefalotórax. As massas do tecido nervoso (gânglios) são fundidas com um gânglio encontrado sob o esôfago e abaixo e atrás do cérebro. A forma do cérebro, ou gânglio epifaríngeo, reflete um pouco os hábitos da aranha; ou seja, nos construtores de teias, que são sensíveis ao…