Psalmopoeus cambridgei

Psalmopoeus cambridgei (Pocock, 1895), é uma espécie de aranha da família Theraphosidae, endêmica de Trinidad. Seu veneno é a fonte de psalmotoxina e vanillotoxina que são classificadas como proteínas inibidoras. A salmotoxina pode ser de uso terapêutico em pacientes que sofrem de AVC. A fêmea desta especie tem marcas escuras em seu abdômen e sua cor varia através de tons esverdeados com marrom, alguns pontos avermelhados ou alaranjados podem ser notados em suas penas.

Nhandu coloratovillosus

Nhandu coloratovillosus (Schmidt, 1998), também conhecida como “Tarantula brasileira preta e branca” é uma aranha caranguejeira muito bonita e imponente. Com pernas listradas pretas e brancas, bem como um abdômen escuro, coberto por cerdas avermelhadas, fazem esta tarântula parecer rosa, fofa e adorável! Não se engane, manipular essa tarântula não é aconselhável, pois seu temperamento varia muito de espécime para espécime e também de um momento para o outro. São grandes espécies terrestres que podem ser encontradas nas pradarias do Brasil, se parece muito com a tarântula de joelhos brancos brasileira (Acanthoscurria geniculata).

Lasiodora parahybana

Lasiodora parahybana (Mello-Leitão, 1917), ou Tarântula Rosa Salmão Brasileira, é uma das especies de tarântulas mais conhecidas do mundo. Elas são originárias de áreas tropicais do nordeste brasileiro. O que as torna tão especiais é o fato de que elas são uma das maiores espécies de tarântulas do mundo. Na verdade, acredita-se que Lasiodora Parahybana seja a quarta maior tarântula do mundo. Além de seu tamanho enorme, elas também são conhecidas por seus pelos “rosados” atraentes que são destacados em seu corpo preto/marrom.

Bumba horrida

Bumba horrida (Schmidt, 1994), ou Tarântula Ruiva Brasileira. Coberta com cerdas pretas aveludadas brilhantes pelo seu corpo e um cefalotórax tipicamente bem alaranjado, esta é uma aranha muito bonita e imponente do Brasil. São aranhas fossoriais, ou seja, elas gostam bastante de viver enterradas, dentro de suas tocas. Elas são caçadoras muito afiadas, estarão sempre a espreita em suas tocas, esperando que uma presa passe. Bumba é um gênero de tarântula nativa das Américas, compreendendo apenas quatro espécies conhecidas. Como a maioria das espécies da subfamília Theraphosinae, elas possuem cerdas urticantes, e caso se sintam fortemente incomodadas, com certeza lançaram elas ao ar.

Poecilotheria metallica

Poecilotheria metallica – (Pocock 1899), é uma caranguejeira deslumbrante devido à sua coloração e padrão do sudeste da Índia. Gooty em seu nome comum refere-se ao lugar onde ela foi encontrada pela primeira vez, o que está errado, pois o animal foi capturado em um pátio de madeira ferroviária em Gooty, o espécime poderia ter vindo de…

Kochiana brunnipes

Kochiana brunnipes (C. L. Koch, 1842), ou Tarântula Anã das pernas Rosas Brasileira. Coberta com cerdas pretas aveludadas pelo seu corpo e pernas principalmente rosadas/laranjas, esta é uma aranha muito bonita e imponente. São aranhas fossoriais, ou seja, traduzindo para um vocabulário popular, elas gostam bastante de viver enterradas, dentro de suas tocas, dificilmente veremos esse animal andando por ai em sua vida livre. Elas são caçadoras muito afiadas, estarão sempre a espreita em suas tocas, esperando que uma presa passe. Sua natureza é geralmente dócil, mas podem lançar cerdas urticantes facilmente caso se sintam ameaçadas.

Pterinopelma sazimai

Pterinopelma sazimai, também conhecida como “tarântula azul brasileira”, é uma aranha comedora de pássaro maravilhosa devido à sua coloração e comportamento. Ela tem o nome do Dr. Ivan Sazima, o zoólogo brasileiro que foi o primeiro a descobrir a espécie em 1971 e investigar a espécie por 10 anos com Sylvia Lucas no instituto butantan. Quando a tarântula morreu, ela ainda não havia sido descrita. Em 2011, os três investigadores concluíram o trabalho do dr. Ivan Sazima.

Tarântulas: Novo mundo vs Velho mundo

Quase todas as espécies do Novo Mundo têm uma defesa especial que as espécies do Velho Mundo não possuem. Eles estão cobertos de pelos especiais chamados Cerdas Urticantes localizados na parte superior do abdome. Estes são pequenos pelos farpados que podem se inserir na pele ou no olho de sua vitima. Exemplos comuns de tarantulas que exibem essa característica são Brachypelma hamorii, Grammostola rosea, Acanthoscurria geniculata e Avicularia avicularia. Exceções a essa regra são as espécies do gênero Psalmopoeus e Tapinauchenius que não possuem estes pelos e as espécies do gênero Ephebopus que possuem estes pelos em seus pedipalpos.

As aranhas escutam suas teias?

Os fios de seda podem ser grossos ou finos, secos ou pegajosos, frisados ou lisos. Os fios que uma aranha usa para construir sua teia ou forrar o solo, começam como líquidos, mas secam rapidamente em contato direto com o ar.

Regeneração e autotomia de membros

Muitas vezes, vimos aranhas que perderam suas pernas. Algumas podem tê-la perdido em brigas, enquanto outras podem ter deixado as pernas “cairem”, ao escapar de predadores que as pegaram, ou até mesmo ao realizarem uma troca de pele. Para lidar com isso, as aranhas são capazes de regenerar 100% as pernas perdidas após várias mudas. Depois de…